sábado, 17 de setembro de 2011

Grandes olhos verdes

Seus olhos grandes e seu coração maior ainda foram invadidos por algo que ainda não sabemos o nome. Alguns dizem que é amor, mas ouvi falar que também pode ser a dor. Dizem-me que antes era a ilusão, que cobria seus olhos como uma lente e invadia seu coração. Mas a lente quebrou e seu coração, ela perdeu. Perdeu, mas ganhou um novo, com dor (ou amor) que parece não controlar. Alguns dizem que este coração invadido pela ilusão hoje pertence à outro alguém, e este alguém se foi. E então ela teve de roubar, criar, ou sei lá o que ela fez para conseguir um novo coração. Mas este coração veio com problemas, e ela ainda não achou alguém que arrume corações como arrumamos um celular. Seu coração veio com dor, com amor, com saudade e com tristeza. Seu coração veio cheio de lágrimas e cheio de machucados, aqueles tipos que nunca cicatrizam. Seu novo coração a transformou bruscamente e fez com que ela mudasse completamente, e para mudar temos que sofrer, sabe. Para mudar temos que ser firmes e isso nos faz soar, e ela suou tanto para conseguir se adequar, que simplesmente secou. Ela chorou tanto por não ser mais como era antes, que secou. E agora apenas podemos observar ela caindo cada vez mais fundo em um grande abismo, onde ela só pode se salvar se criar asas. Ninguém sabe o que ela pode encontrar lá embaixo, apenas podemos torcer para que ela não se machuque ainda mais e nunca mais consiga subir. Esses dias, ainda, ela disse que precisava de atenção. Não só disse, como fez de tudo para obtê-la, mas o que podíamos fazer? Às vezes só nós mesmos conseguimos nos salvar, e eu sei que ela sabe disso. Aliás, ela sabe muito. Ela dá conselhos à todos e ela ajuda todos que precisam, sempre, mas ela nunca tentou se ajudar. "Todos os problemas são fáceis de resolver, desde que não sejam os meus problemas", ela diz. E na verdade é isso. E talvez sempre seja isso. Esconder os seus próprios problemas por trás dos problemas dos seus amigos, é tão simples. Mas basta olhar seus grandes olhos (agora com lentes falsas, que parecem felizes até o momento que ela as tira para chorar) que você vê tudo. Você vê suas dores e seus machucados, você vê seu amor, tanto amor, guardado para alguém que todos sabemos que nunca voltará mas que, para seu bem (ou talvez por pena, dó, medo da verdade) dizemos que ele voltará, que todos voltam, um dia, na tentativa de fazê-la voltar para a lente antiga. Mas tudo passa, e nunca, nada, volta. E ela sabe disso, ela sempre soube e sempre disse a si mesma que sempre saberia. Mas ela só consegue olhar a sua volta à procura dele, e não olha mais para dentro de si, mesmo que queira. Esses dias estavam todos discutindo se isso era mesmo amor, mas a verdade é que ninguém nunca saberá, nem entenderá. E na verdade mesmo, ninguém nunca se importa, nem ela se importa. E sinceramente, eu desejo que ele se importe logo, para voltar para ela e devolver a ela aquele coração iludido, pois eu sinto falta do seu sorriso, e eu sinto saudade do brilho de seus grandes olhos, verdes.

Para que olhos verdes, 
se ninguém consegue ver o que há dentro do verde de meus olhos doídos e chorões. 
Para que o sorriso, se falsos, são. 
Por que insisto em dizer que estou bem, se bem nunca estou.
Para que falar, se ninguém me ouvirá.
E afinal, 
para que amar, se isso só me fará sangrar.

5 comentários:

  1. Profundo ainda estou lendo mas pelo começo ja achei interessante =)

    Victor =)

    ResponderExcluir
  2. É muito lindo, muito lindo mesmo. Não sei nem o que te dizer, quando tudo já foi dito nesses textos. Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Obrigada Victor, espero que você tenha gostado do resto da história, rs.

    Lelecca, obrigada minha linda. ~~<3 Sempre me insentivando, graciass!

    ResponderExcluir
  4. muito lindo a ultima parte, nossa muito lindo mesmo! chorei
    Malu

    ResponderExcluir
  5. voce escreve muito muito muito bem e voce sou eu eu sou voce somos almas gemeas ja disse kkk parabens pelo texto meu amor <333333333 -ruteeeeee

    ResponderExcluir