domingo, 5 de fevereiro de 2012

"E eu não quero amá-lo de novo."

Dizem que devemos ter uma vida com amor. Amor às coisas, às pessoas. Eu nem sei mais. Eu nem sei mais amar.
Eu digo pra mim mesma que não preciso de ninguém pra viver, mas às vezes a realidade cai em mim e me mostra que sim, precisamos de alguém pra ser feliz. E eu fico aqui, tentando me agarrar à algo ou à alguém, a me entregar às coisas boas da vida, à felicidade, ao amor, novamente… É tão difícil aceitar que a gente acabou ficando sozinha por opção. 
Não tenho mais como dizer que todos me esqueceram e que o amor não bate mais na minha porta (mesmo que o amor não bata na porta, e sim entre e jogue tudo pra fora). Sim, muita gente me esqueceu, mas eu tenho esquecido todos e me livrado de tudo o que me faz mal, ou não me faz bem. Bom, aqui estou eu sozinha, sem ninguém que parece mesmo servir para um abraço de consolo nem para roubar um sorriso bobo, porém verdadeiro. 
E o amor… O amor não me esqueceu. Eu esqueci o amor. Eu tranquei as portas, eu fechei as janelas, eu me prendi aqui dentro no escuro e no quentinho e não o deixarei entrar. Por medo. Eu não quero mais o amor. Eu odeio o amor. E embora eu acredite nele e talvez considere ele uma das coisas mais importantes do mundo, eu não o quero pra mim. Eu não agüentaria sofrer de novo, sofrer mais. Eu odeio o amor. O amor acabou comigo. 

E eu não quero me deixar amar de novo. Eu não quero me entregar de novo, não quero escrever textos de amor de novo, pois em alguns meses (anos, se algo der mais certo que o normal) eu estarei escrevendo exatamente isso de novo. Eu odeio o amor, eu odeio o amor. E eu não quero amá-lo de novo. 
E enquanto eu fecho tudo, enquanto eu me fecho, fecho os olhos pra não ver o quanto de coisas lindas acontecem e o tanto de pessoas apaixonantes passam por mim todos os dias, o amor bate forte, o amor quer entrar. O amor quer invadir tudo aqui de novo, o amor quer jogar tudo fora de novo, o amor quer pesar de novo, o amor quer roubar tudo de novo. Ele quer acabar comigo de novo, e eu não vou deixar. Por favor, não me deixem amar. O amor é lindo, mas o amor dói demais. Não me deixe amar, não me faça te amar, não me peça mais do que eu me permito dar. Eu não quero amar, eu não vou amar, não posso amar. O amor não me faz feliz. Me deixe ser assim, sozinha, solitária. Eu não preciso de vocês, eu não preciso do amor. Me deixe ser apenas o que sobrou de mim. 

5 comentários:

  1. Estou impressionado com o texto ser extamente oq estou pensando, eu soh nao quero passar pelo mesmo sofrimento sem sentido de novo ;/

    ResponderExcluir
  2. Que texto maravilhoso, muito bem escrito!
    Bjs, www.surtandoedesabafando.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. MTO LOCO ESSE TEXTO NUSS

    ResponderExcluir
  4. Ah minha flor, não importa o quanto ruim seja amar, tenho descoberto esses dias que o vazio é bem pior que a dor.

    Ps: Não, eu não sumi do blog, nem estou pensando em fazer isso, mas como já disse algumas vezes este é ano de vestibular e eu sei que vai ser difícil, por isso já estou me preparando e estar aqui presente todos os dias tem ficado cada vez mais difícil. Espero que entenda. Saudades de todos os blogs que eu tanto amo ler. Não me esqueçam. rs

    ResponderExcluir