terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Sinceros parabéns

Não vou fazer um texto me declarando, nem um texto pedindo para o passado voltar. Eu nem sei se eu devia escrever um texto! Mas a gente vai escrevendo, e jogando tudo pra fora, tentando esvaziar esse buraco imenso que temos dentro da gente. 
Hoje, quem fez meu buraco foi a pessoa mais filha da puta que existe. E falo palavrão mesmo. As coisas se tornaram assim, feias igual um palavrão. A vida de uma menina, que era pra ser uma mocinha comportada esperando seu príncipe tornou-se uma verdadeiro filme de terror.
Mas não quero reclamar. Aliás, quero sim. Quero quebrar tudo, quero xingar todo mundo, quero que tudo isso acabe. Talvez porque você tem sido tudo, e todos. Mas você devia ser nada, ninguém. E talvez já seja. Porque a gente tem essa mania chata de querer botar as piores pessoas nos melhores lugares. Em todos os lugares. Mas hoje eu vou revolucionar.

Querido, vá se foder. 

E falo sério. Não ligo mais. Não te ligarei nunca mais, vou continuar tentando apagar o seu número de telefone da minha agenda. O seu número de telefone... Aquele, especial, que passo horas olhando, lendo, letra por letra, número por número que me faria escutar sua voz. Sua voz tão enlouquecedora, de quem diz "não ligue mais para cá, eu não quero te ouvir". E é isso mesmo, você não quer me ouvir. Por isso, te digo: eu não ligo mais. 
Não vou dizer que você vai sair dos meus dias, dos meus sonhos, do meu inconsciente que chama por ti. Não prometo apagar todas as lembranças, todos os risos e promessas. Pois isso não se apaga. Essas coisas se enterram, lá no fundo, à sete palmos debaixo do chão. Mas isso parece pouco... A saudade sempre me dá forçar pra cavar. 
E então, enquanto eu minto para mim mesma, enquanto eu digo que nada disso que eu escrevi importa, enquanto eu tento apagar o seu nome da minha agenda (e do meu coração)... Você. Aí está você, falando as mesmas coisas de sempre, com as mesmas pessoas que eu sempre senti ciúmes de sempre. E isso que me deixa intrigada: você sempre está aí para as mesmas pessoas de sempre. Menos para mim. Por que? Por que? Por que? Eu te dei tudo o que sobrou de mim! Foi pouco demais? Eu sou tão insuficiente assim? Ou, me diga: foi demais pra você? Foi peso demais pra você? É difícil ser o porto-seguro das pessoas, eu sei. 
Diga que eu fui demais pra você! E eu te responderei apenas com um "foda-se" e um sorriso. É assim, não é? Não me confunda mais. Apenas diga que tudo acabou, e eu prometo que serei boa o bastante para ir embora para sempre. Para sempre. 


Feliz aniversário, Guiga! Mesmo que você não leia isso, e, eu sei que não vai ler. Feliz aniversário! Esse é o meu presente para você, e saiba que ele vem do fundo do meu coração! 

9 comentários:

  1. muito bom! você é uma grande escritora, parabéns.

    ResponderExcluir
  2. oi eu so o guiga fiquei felis :P'

    ResponderExcluir
  3. Mto Bom Irene ! Você escreve mto bem, continue assim ! Otimo texto.

    ResponderExcluir
  4. foda-se o mundo, não me encaixo nele

    ResponderExcluir
  5. Me quiero que el se va a tomar en el culo. ass: Mingo

    ResponderExcluir