segunda-feira, 23 de julho de 2012

Cores que não vejo

Não via as cores
Triste cidade preta e branca
de um degradê sem graça

Confuso por não saber
se o frio que sentia era da noite chegando
ou do coração que ainda insistia em bater

Só via as luzes
bailando
na sua janela

E se nunca mais vir o sol dourado num céu azul pela manhã?
E se nunca mais puder pintar uma aquarela?

E se for você chegando e eu achar que não passa de uma sombra
daquelas que me assombra
quando sinto tua falta?

E se não conseguir mais ser feliz
nem pintar o meu nariz
nem cheirar uma flor-de-lis
nem curar minha cicatriz
e ficar pra sempre assim, meio infeliz?

E se eu ficar pra sempre nesse vazio
cheio de cores
que não vejo?

8 comentários:

  1. Uma pessoa incompleta vive nesse mundo vazio. Sem a sua felicidade não consegue sentir o calor da alegria, as cores no seu alegre esplendor... Enfim ao encontrar-mos o nosso verdadeiro amor, ou o recuperarmos de uma eterna saudade, parece que o véu incolor deixa de nos cobrir e de repente sentimos uma explosão de alegria cujo impacto faz tudo florescer numa bela harmonia de cores, felicidade e nos sentimos finalmente complertos. Esse é o contraste felicidade/tristeza, vazio/completo. - Mingo

    ResponderExcluir
  2. Simplesmente perfeito, Irene, parabéns, estou orgulhosa por ti >,,< Beijinhos... Moranguinho

    ResponderExcluir
  3. Ótimo! Evoluindo cada vez mais. E as cores irão brilhar,não se preocupe.

    ResponderExcluir
  4. TÁ LINDOOOOOOOOOOOO

    ResponderExcluir
  5. TÁ LINDO DEMAISSSSSSSSSSSSSSSSSSS S2

    ResponderExcluir
  6. Parabéns. Você vem melhorando cada dia mais, a cada texto, a cada poema. Está muito bom mesmo, parabéns de novo pois você merece.

    ResponderExcluir
  7. Nunca pensei que iria encontrar algo que me tocasse tanto assim! Sua fã de antes, agora e sempre! vc é dmmms!

    ResponderExcluir